Club Crus du Beaujolais

Os dez crus do Beaujolais estão situados ao Norte da região, na fronteira da famosa região de Bourgogne.

Os vinhos elaborados nessa área são habitualmente mais robustos e estruturados do que aqueles elaborados no Sul da região.

8 vinícolas se juntaram em 2017 para constituir o Club crus do Beaujolais, com o objetivo de promover a qualidade dos vinhos que produzem.

Essas vinícolas são autênticas e de pequeno tamanho, os vinhos desses 8 viticultores refletem o trabalho árduo de várias gerações.

Os Crus do Beaujolais já são famosos no mundo inteiro e conhecidos pela sua qualidade.

Esse ano, esses 8 vinícolas do Club Crus do Beaujolais partirão à conquista do Brasil !



CRUS DO NORTE AO SUL :

Saint-Amour (300 ha) : Vinho vivo, fino, equilibrado, de cor rubi e com aromas de kirsch, de especiarias e de flor de resedá. Esse cru, com seu nome charmoso, situa-se ao extremo norte do vinhedo, em solos de silício e argila.

Juliénas (550ha) : Vigorosos e de forte personalidade, os vinhos de cor rubi intenso oferecem amplos aromas de pêssego, frutas vermelhas, flores e especiarias. Caracterizada pela diversidade de solos, a denominação é principalmente constituída de xisto e granito.

Chénas (230ha) : Plantados em areia granítica, os Chénas são raros, típicos e generosos. A sua cor é rubi com reflexos granados e seus aromas florais e de madeiras enriquecem após alguns anos na adega.

Moulin-à-Vent (640 ha) : Nascidos num solo granítico com veias de manganês, esses vinhos de guarda são potentes e estruturados. Intensos e tânicos, eles têm uma cor rubi escuro e aromas de íris, rosa murcha, especiarias e frutas maduras. Emblemático, o moinho domina e identifica esta denominação.

Fleurie (810 ha) : Há nomes mágicos para designar o tom carmim, a sutileza da violeta, a feminilidade da íris e o sabor "gourmand" das frutas vermelhas. O granito rosa da denominação lhe confere toda sua elegância.

Chiroubles (310ha) : Tenro, frutado, saboroso, o Chiroubles com sua cor luminosa e seus aromas florais (peônia, lírio do vale) é o mais “gourmand” dos crus. Suas encostas íngremes formam as mais grandiosas paisagens do vinhedo.

Morgon (1130 ha) : Seu terroir, composto de granitos e de xistos intercalados, é a assinatura desses vinhos carnudos e potentes, de forte personalidade. A cor granada intensa, os perfumes de frutas maduras e de caroços de frutas são as marcas desta denominação, uma das maiores do vinhedo.

Régnié (430 ha) : Pouco tânicos, redondos, equilibrados, assim são os Régnié com sua cor cereja de reflexos violáceos e seus aromas de frutas vermelhas. A denominação é plantada sobre solos graníticos arenosos.

Côte de Brouilly (320ha) : Nas encostas do cume do Monte Brouilly nascem vinhos elegantes, minerais, de cor púrpura, com aromas de frutas frescas e de íris. A geologia do terroir, de granito andesito, sela a elegância desses vinhos.

Brouilly (1260 ha) : Símbolo do vinhedo, o Monte Brouilly produz vinhos carnudos e de cor forte. No nariz, os Brouilly exalam aromas de frutas vermelhas, e oferecem notas minerais no paladar. Os solos são graníticos e ácidos. É a maior denominação dos crus do Beaujolais.